Refluxo gastroesofágico em crianças: sintomas, tratamentos e tudo o que você precisa saber

Refluxo gastroesofágico em crianças: sintomas, tratamentos e tudo o que você precisa saber

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) é quando ocorre o retorno do ácido do estômago ou da bile para o esôfago, podendo causar náuseas, regurgitação ou vômitos. Essa “subida” do conteúdo estomacal pode causar irritação na mucosa do tubo alimentar, o que desencadeia dor no peito, azia e queimação.

Apesar de acontecer muito com adultos, o refluxo é bastante comum em crianças, especialmente em bebês. É necessário, contudo, analisar se os sintomas estão atrapalhando a rotina da família ou ameaçando o desenvolvimento do bebê.

Quase todos os bebês têm episódios de refluxo gastroesofágico, que são caracterizados por regurgitação ou arrotos. Quando isso ocorre logo após a alimentação, geralmente é considerado normal. Qual mãe nunca colocou o bebê para arrotar depois de amamentá-lo, não é?

O refluxo normalmente atinge o pico aos 4 meses de idade e então diminui gradualmente. Em quase todos os bebês com refluxo, o distúrbio desaparece por volta dos dezoito meses de idade.

Como saber se meu filho tem a doença do refluxo gástrico?

A observação dos pais é fundamental para identificar os sintomas do refluxo ou outros problemas estomacais na criança. O refluxo pode ser causado:

  • pela posição do bebê durante a alimentação;
  • pela alimentação excessiva;
  • por exposição a cafeína, nicotina e fumaça de cigarro;
  • por intolerância ou alergia alimentar;
  • ou em razão de anomalia do trato digestivo.

É importante notar se o seu filho está tendo um comportamento atípico. Os bebês podem vomitar e regurgitar demais, ter problemas de alimentação ou de respiração e também parecer “mais irritáveis”.

O refluxo gastroesofágico passa a ser conhecido como doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) quando:

  1. Interfere na alimentação e no crescimento do bebê
  2. Danifica o esôfago, causando esofagite
  3. Causa dificuldades respiratórias, como tosses, sibilos ou interrupção da respiração
  4. Continua além da primeira infância para a infância

Sendo uma doença, é necessário tratá-la adequadamente. Assim, evita-se problemas futuros para a criança, que podem afetar o seu desenvolvimento normal.

Devemos nos preocupar com a regurgitação do bebê?

Sim, devemos. Esse cuidado deve ser maior nos recém nascidos, pois há chance maior de complicações, como engasgos. Raramente a regurgitação ocorre antes da primeira semana de vida e na criança lactente após 6 meses de vida.

Quando a regurgitação persiste além dos 12 meses de vida, é necessário buscar ajuda pediátrica para entendermos a causa”, explica o pediatra do IMEPE, Dr. José Tenório Neto, especialista em gastroenterologia infantil.

Segundo Tenório, isso é ainda mais preocupante quando as regurgitações vêm acompanhadas de outros sintomas: febre, abaulamento de fontanela (uma “curva para fora” na moleira do bebê), dificuldade para urinar, vômitos noturnos com bile ou com sangue, esforço para respirar, choro frequente, irritabilidade e tosse crônica.

Qual exame fazer para detectar o refluxo em bebês?

A melhor forma é procurando um pediatra especializado em doenças do estômago, como os profissionais de excelência do IMEPE. O médico pediatra é quem poderá fazer a análise do caso, pedir exames e dar o diagnóstico correto.

O exame considerado padrão ouro para diagnosticar o paciente portador de doença do refluxo gastroesofágico no lactente (ou seja, crianças até 2 anos) é a Impedâncio pHmetria de 24 horas. A Impedâncio pHmetria 24h detecta e mensura o chamado refluxo não ácido..

Com este exame, é possível correlacionar os sintomas – como crises de apneia ("parada respiratória durante o sono"), por exemplo – com a presença de refluxo ácido e  não ácido no momento que ocorre os episódios da doença.

Agende agora a ImpedânciopHmetria de 24h no site do IMEPE.

Outros exames podem ajudar no diagnóstico diferencial da doença do refluxo gastroesofágico?

Além da a Impedâncio pHmetria, existem outros exames complementares que ajudam a determinar se uma pessoa tem ou não a DRGE. São eles: Endoscopia Digestiva, pHmetria e Raio-x contrastado de esôfago, estômago e duodeno.

Quais os tratamentos para o refluxo gastroesofágico e a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)?

Existem dois tipos de tratamento   Modificações de estilo de vida e de dieta são, em sua maioria, utilizadas com um alto índice de melhora dos sintomas.

Mudar a alimentação do bebê nem sempre é fácil, em razão da falta de opções, mas pode ser necessária para interromper o problema. As opções de tratamento incluem fórmula infantil mais densa ou hipoalergênica na alimentação. Outra dica é o posicionamento especial na hora da alimentação.

Crianças mais velhas devem evitar comer duas a três horas antes de dormir, evitar beber bebidas com gás (como refrigerantes) ou com cafeína, tomar determinados medicamentos (aqueles com efeitos anticolinérgicos), comer determinados alimentos (chocolate ou alimentos gordurosos) e comer demais.

O médico pediatra pode ainda receitar um remédio para combater o refluxo. “O tratamento farmacológico mais empregado hoje em dia é o uso dos inibidores da bomba de prótons (IBPs). Eles reagem em meio ácido para exercer o efeito desejado”, detalha José Tenório.

 

 Precisa de ajuda para saber se seu filho tem refluxo gástrico? Marque agora sua consulta com um de nossos gastropediatras.

 

 


Imprimir   Email